As feiras são ainda necessárias?

Rivetto stand at the Prowein 2013 in Dusseldorf Germany

Eu sei que eu sou retorico, mas voltando do Prowein e com as perspectivas do Vinitaly, eu me vejo perguntando a mim mesmo, já alguns anos, a mesma pergunta: as feiras de vinho servem ainda? Agora que a internet tornou o mundo menor, que os produtores viajam muito mais do que costumavam antigamente, eu me pergunto se essas exibições  servem ainda. Pessoalmente, eu sempre gostei do Prowein e esse sentimento continua devido à organização e a qualidade dos visitantes, mas é verdade que a porcentagem de contatos novos e clientes é sempre menor. Hoje em dia, se você quiser encontrar novos clientes, a feira em si não é mais suficiente, ela sempre deve ser precedida, por meses, até anos de trabalho. Agora, as únicas feiras que garantem novos contatos são as que são organizadas no extremo oriente, devido ao crescimento do mercado, que é também o maior desafio mas que no entanto continua sendo a comunicação e a avaliação da gravidade do potencial do parceiro.

É mais e mais freqüente o costume dos importadores e dos distribuidores de organizar eventos anuais privados em salas de albergues, abertos somente para os próprios clientes que ficam esperando os produtores apresentar os vinhos nas mesas. Isso é uma maneira eficaz para apoiar e representar as vinícolas e um modo para os produtores terem um contato direto com a clientela final. É obvio que isso se trata de fiéis clientes e não de novos contatos comerciais.

Falando da procura de novos parceiros, eu acho que os “B to B” sejam os mais lucrativos do ponto de vista das despesas/riscos. São organizados em hotéis, duram por volta de dois dias; normalmente os produtores tem mais ou menos 15-20 encontros garantidos de 20/25 minutos, operadores diferentes, com perfis que devem refletir o requerimento dos vinhedos.

É sempre melhor pesar os custos, daqui para frente as feiras têm custos muito altos e a garantia de novos contatos não existe mais, enquanto o “B to B”, se for bem organizada, pode dar bons resultados, especialmente para pequenos vinhedos. Essa foi a minha experiência e as considerações que eu quero compartilhar com vocês; aqui estão algumas fotos dos seguintes clientes/amigos que passaram no nosso estande Rivetto em Dusseldorf, obrigado a todos por terem vindo e esperamos vê-los novamente em breve na nossa maravilhosa Langa!

August direttamente da Amsterdam

August diretamente de Amsterdam

Kristina da Tallinn-Estonia

Kristina de Tallinn-Estônia

Da Mosca la bionda Olga e la bruna Antonia

Da Mosca a loira Olga e a morena Antonia

Tom, l'Alex Baldwin da Toronto assieme ad una fan :)

Tom, o Alex Baldwin de Toronto juntos com uma fã :)

Fabio assieme a wine lover nipponici

Fabio junto com os “wine lover” japoneses

Anna-Liisa da Helsinki Ti aspettiamo in Piemonte!

Anna-Luisa de Helsinki, estamos te esperando no Piemonte!

Un affettuoso abbraccio al lupo svedese Ulf

Um carinhoso abraço ao lobo sueco Ulf

Dall'Islanda la signorina Eva

Da Islândia, a Senhora Eva

Martins, l'architetto del vino in Lettonia

Martins, o arquiteto do vinho na Letônia

Johannes ed il suo team dal Nord della Germania

Johannes e a sua equipe do norte da Alemanha

Lo juventino più bianconero del Belgio, ci vediamo presto allo stadio Fabian!!

O jovem mais preto e branco da Bélgica, a gente se vê em breve no estádio Fabian!!

Andreas da Amburgo, baci per Maria!

Andreas de Amburgo, beijos para Maria!

Ms and Mr Mann dall'Olanda

Senhor e Senhora Mann da Holanda

Dalla Repubblica Ceca Mr.Kozak

Da Republica Tcheca,  Senhor Kozak

Benvenuto Harald da Oslo!

Bem-vindos Harald de Oslo!

Julia dall'Ucraina e Marco da Asti :)

Julia da Ucrânia e Marco de Asti :)